Dia do Funk em SP – MC Daleste

Você já deve ter ouvido em algum momento da sua vida esse hit aqui: “Quem é mina vermelho? eu vim pro baile só pra ver ela” ou esse hit aqui: “Iluminado por Deus seja minha quebrada, minha voz rola pelo ar”, com certeza você conhece o dono desses e outros hits que bombaram 10 anos atrás. Estamos falando dele, uma das maiores lendas do Funk paulista, MC Daleste.

Daniel Pellegrine, natural de São Paulo e mais especificamente do bairro da Penha, Zona leste. Caçula de três irmãos, O MC veio de uma infância conturbada, de família de baixa renda e por perder sua mãe ainda quando criança. Sem muita instrução e perspectiva de futuro, estudou até a oitava série.

Sua carreira musical se inicia em meados de 2009 divulgando suas primeiras músicas na internet, acessando as Lan Houses de seu bairro. Com pouco tempo já era notável a qualidade que era entregue nas músicas mesmo com poucos recursos da época, gravando apenas com um computador e um fone daqueles de telemarketing. As primeiras músicas que ficaram conhecidas, foram “Bonde dos menor” e “Apologia” ambas consideradas proibidões, ritmo que mais fazia sucesso na época. Mesmo tendo diversos nomes como: MC Felipe Boladão, MC Zoi de Gato, MC Smith, o jovem MC da Penha começava a se destacar nas quebradas.

O funk proibidão era algo que as comunidades se identificavam quando ouviam, pois muitas músicas eram sobre relatos cotidianos da periferia, mas era algo que não era bem vindo comercialmente. Até que, em 2011 para 2012, MC Daleste resolve mudar seu foco na música com o surgimento do Funk ostentação, sendo um dos responsáveis por popularizar o novo segmento, com isso muitas novas portas se abriram, convites para shows no Brasil todo, convites para rádios e programas da época e gravações de diversos videoclipes.

A virada de chave do MC Daleste

(foto: reprodução Facebook)

Com os hits; “Deusa da Ostentação”, “Mina de Vermelho”, “Angra dos Reis” e “Mais amor menos recalque” Daleste se tornou um dos MCs mais ouvidos da historia do funk, e suas músicas se tornaram atemporais pois facilmente você ainda ouve elas tocando nos bairros nos dias atuais..

Com o sucesso repentino, Daleste não lançou nenhum álbum, até porque na época não se tinha o costume entre os MCs de Funk, lançando apenas singles e que muitos viraram hits, atingindo milhões de visualizações antes mesmo da entrada do Kondzilla e Tom produções com os videoclipes no funk. 

Infelizmente em 2013 teve sua carreira tragicamente interrompida e fazendo o que mais gostava. Durante um show em Campinas – SP, foi baleado enquanto se apresentava para o público. 

Durante sua vida, “Dani” como era chamado pelos amigos mais próximos, era considerado uma boa pessoa, de coração bom, amigável e muito educado. Daleste se tornou uma lenda para toda uma geração de Funkeiros, sejam as pessoas trabalhadoras da comunidade e até mesmo os MCs, DJs e pessoas que trabalham com funk. Confira alguns relatos de alguns MCs sobre o MC Daleste:

MC Danny – inspirada por Daleste

(foto: Reprodução instagram)

“Para você ter uma ideia, eu comecei a cantar funk por causa do Daleste! Em uma música dele, ele falava da minha quebrada, do Sinhá. Que era aquela música lá, ‘Todas as Quebradas’! Quando ele cantou e falou do Jardim Sinhá, eu já me identifiquei e já comecei a escrever letra!” – MC Danny no Podcast “Na Quebrada – Kondzilla”

Gloria Groove – Homenagem ao Daleste

(foto: Reprodução instagram)

“Nesta música, presto uma homenagem à vida e à obra do MC Daleste com um sample da ‘Mina de Vermelho’, um grande sucesso dele. Ele faleceu em 2013, infelizmente, mas marcou a vida de muitas pessoas da minha idade nas festas e nos bailes. E antes de mim, ele foi um dos artistas que colocou a Zona Leste no mapa, por isso a escolhi para puxar a chegada do álbum, ela grita Zona Leste”, – Gloria Groove em entrevista para o site Uol.

Em 2021, DJ Wilton produtor renomado do funk ostentação e braço direito do MC Daleste, mantinha guardado a última música que o MC tinha gravado no estúdio. Wilton convidou nada mais nada menos que o MC Hariel para fazer uma colaboração nesse som póstumo:

MC Hariel e DJ Wilton – Homenagem

“Fizemos um som com o eterno Daleste e vai ficar pra história. Esse projeto tínhamos combinado de fazer, porém estava faltando tempo, mas agora deu certo. Fizemos uma pedradona, vai ser mil grau, obrigado a todos os fãs que curtiram e curtem”, disse MC Hariel no dia da gravação da música em seu Instagram. 

Dia do Funk em São Paulo

Pode se dizer que o Daleste teria uma carreira brilhante, por seu talento nas composições, sua diversidade com os ritmos e por ser querido por toda massa funkeira. Um roteiro de vida bem triste, mas que sempre será lembrado por seus feitos, muitos hits que ainda tocam pelas comunidades e bailes do Brasil.

Inclusive o dia estadual do funk em São Paulo é parte de uma homenagem ao MC Daleste. O governo de São Paulo sancionou a lei que institui o dia 7 de julho como o Dia Estadual do Funk. De autoria da deputada Leci Brandão tem como justificativa permitir que os artistas do funk sejam reconhecidos e protegidos de discriminação e de desrespeito aos seus direitos profissionais.

Em entrevista para a Folha, a deputada explicou que a data é homenagem a Daniel Pedreira Pellegrine, o MC Daleste, morto na madrugada de 7 de julho de 2013. Segundo Leci Brandão, após a morte de Daleste, muitos artistas o procuraram para pensar políticas públicas voltadas ao movimento cultural. Ter um dia específico no calendário oficial é um primeiro passo para acabar com o preconceito.E aí, qual música você mais gosta do MC Daleste? Conte para nós aqui do #BatalhaFUNK, deixe nos comentários a sua homenagem!